O tratamento contra a cocaína deve ser feito o mais breve possível, pois, assim como as demais drogas, ela causa inúmeros danos. Podendo, inclusive, levar à morte.

A cocaína é um estimulante muito poderoso e viciante que afeta diretamente o cérebro. A droga em pó pode ser inalada ou dissolvida em água e em seguida injetada diretamente na veia ou fumada em alguma pedra.

Alguns usuários a injetam na pele causando erupções podendo ocasionar uma infecção ou até mesmo outras complicações médicas.

O produto químico puro (hidrocloreto de cocaína) tem sido uma substância usada por mais de 100 anos. E a folha da coca, que é a fonte da cocaína, tem sido ingerido há milhares de anos.

A cocaína pura, a princípio foi extraída da folha do arbusto Erythroxylum Coca, que cresceu principalmente no Peru e na Bolívia, em meados do século XIX.

No início de 1900, tornou-se a droga estimulante principal usada na forma de tônicos e elixires que foram desenvolvidos para tratar uma ampla variedade de doenças.

Existem basicamente duas formas químicas de cocaína: o sal de cloridrato (ou Pó de Cocaína) e o freebase (base livre).

O freebase refere-se a um composto que não foi neutralizado por um ácido para fazer o sal de cloridrato é forma pura de cocaína é para fumar em forma de pedra.

A cocaína é geralmente vendida nas ruas como um pó fino branco e cristalino, conhecido como “coque “,”C “,”flocos de neve”, ou “golpe”.

Geralmente traficantes diluem com substâncias inertes como amido de milho, pó de talco e ou açúcar, ou com drogas ativas como procaína (quimicamente relacionadas com anestesia local) ou com outras substâncias estimulantes como anfetaminas.

Como funciona o tratamento contra a cocaína?

Como funciona o tratamento contra a cocaína?

O tratamento contra a cocaína é realizado por meio de uma abordagem multiprofissional. Esta abordagem é composta por medidas farmacológicas e psicoterapêuticas.

Ela é realizada a partir de uma parceria entre a equipe de profissionais da saúde, os familiares, os amigos e o próprio indivíduo.

Este tratamento tem como objetivo principal manter o dependente químico longe do consumo da droga. Isto é feito a fim de prevenir os problemas sociais e de saúde, consequentes do abuso dessa substância.

Também, como cada pessoa é única, o tratamento também deve ser personalizado. Por isto, deve-se prestar atenção nas características do paciente.

Assim, exemplos são a personalidade, tipo psicológico, história e relação com a droga (os motivos que levaram ao seu uso).

Um dos primeiros passos é a desintoxicação. Nessa etapa, o dependente deve manter uma abstinência da cocaína e de outros tipos de drogas, incluindo o álcool, maconha e, se possível, o tabaco também, se for o caso.

Além de suspender o uso, o indivíduo deve manter-se afastado de outros usuários e, ainda, de objetos que possam remeter à utilização da substância.

Na fase de reabilitação o indivíduo deve retomar as atividades do seu dia-a-dia ou esquematizar uma nova rotina de afazeres, de forma a não pensar na utilização da cocaína.

Além disso, é importante que ele passe a frequentar um grupo de autoajuda e, também, comece um diário com suas sensações em relação à droga.

Desse modo, para a reabilitação do dependente químico, são utilizadas diversas modalidades terapêuticas. Elas são tais como a psicoterapia e o treinamento social e vocacional, as quais podem ser direcionadas tanto ao indivíduo quanto à sua família.